segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Amizades precisas, amizades preciosas

            Precisas no sentido de precisão, o ano era 1989, para ser preciso janeiro de 89. Tudo novo, escola nova, mundo novo, andar sózinho de ônibus, gente nova, série nova, cobranças novas. E ali conheci Antonio Marcos Cardoso e Silva, não é "da Silva", como sempre frizava é "e Silva". Interessante q muitos chamavam de Tonhinho, mas eu sempre o chamei de Antonio. Hj passado 22 anos o chamo de Tonhinho!
            Tendo lido um dos post do blog, Tonhinho manda um email e me da a liberdade de postá-lo como que queira aqui no blog.
            "Quero te dizer que pra mim você é um amigo muito querido, as vezes não acredito como o tempo passa, ele é cruel, certo e preciso, nos conhecemos há mais de 20 anos, pode?, muitas histórias hilárias, ríamos muito um do outro, tirávamos sarro de tudo e de todas as situações possíveis e inimagináveis, e hoje somos adultos, profissionais e tals, e quando a gente se encontra, apra mim é como um resgate daqueles tempos e parece que nada mudou, somente as estações, como bem disse Renato Russo, voltamos a ser crianças e a sorrir, e fazer as mesmas brincadeiras de antigamente. As vezes bate uma nostalgia, agora mesmo, parece que olhos para os lados e nos vejo lá no Lourdes, ou então na frente de casa, sentados na beira da vala conversando sobre os mais diversos assuntos.."mas que coisa que vocês tanto conversam", lembro que a mamãe sempre dizia isso, e dava 10; 11; 12; 01 da manhã e a gente estava lá na frente rindo alto e incomodando o pessoal do cara de ralo e da Celeste....kkkkkk....isso era muito divertido..nossa como foi legal...e como eu fui criança também....
Tenho orgulho de você ser meu filho na fé, talvez seja o único que ainda esteja na Igreja até hoje, você é um servo fiel. Acho interessante a tua idéia do blog, de por essas coisas pra fora e compartilhar com outras pessoas, nãoo só as angústias, mas também as alegrias. Tente afastar de você esses pensamentos ruins, pense na sua filha ela é linda, precisa de ti por perto,está crescendo e logo logo vai virar uma mocinha, você está no caminho certo, deixe tudo nas mãos de Deus e o mais Ele fará, aliás tu mesmo sabes que ele tem feito mesmo.....
Um grande abraço Amigão e que Deus em sua infinita bondade continue abençoando você e sua familia te cuida."
          Foi bom ler este email, pois a cada linha eu mentalizei e busquei lá da gaveta da memória, diga-se de passagem das ultimas gavetas essas velhas cenas. Fico contrariado pois as lembranças como o dia do meu casamento e da minha filha até os 4 anos não lembro praticamente coisa alguma. Deve ser por isso que gosto tanto de fotos e filmagens, medo talvez de perder as lembranças e buscar nas imagens um tempo que não volta mais.Não lembrava que ficavamos tão tarde assim.
          No final de 1992, nos separamos, trilhamos caminhos diferentes, posso dizer que Tonhinho teve de lá para cá, mais sorte do que eu. Se existe sorte! No ano de 1994, creio que no final dele, Tonhinho fala de sua fé e me faz um convite, já havia andado quando menino nesses eventos para criança na Igreja Quadrangular, lembro remotamente disto (outro dia encontrei a senhora que me levava a essa igreja e lhe agradeci e disse que a semente jogada ao chão estava dando frutos). Fui a Igreja que Tonhinho era membro a Igreja da Paz, ali tenho lembrança do Pastor falando especificamente para algo (não recordo o que). Ali fiquei creio que até o final de fevereiro, não tinha maturidade tinha 16 anos, lembro vergonhosamente (hoje) que ia para o carnaval no final dos cultos e as pessoas me encontravam por lá com a Bíblia debaixo do braço, ia eu e um vizinho que convidara para os cultos. Cheguei a ir tb em alguns eventos Mórmons e eles frequentavam algumas vezes aqui em casa em suas missões. A convite de uma pessoa tb fui há um evento da IURD num bairro distante de Belém. Até que por fim em 2002, para ser mais preciso em 25 de abril daquele ano, tomei a decisão de me congregar e assim reconciliar ou de fato converter não sei, na Igreja Batista, mencionando antes que ainda visitei a Assembléia de Deus, mas Deus me quis assim na Batista. Mas tenho um grande a preço  pela "Bléia" os admiro muitos seu amor e sinceridade em servir a Deus.
         Tonhinho, rapaz eu não sei como vai ser essa divisão do galardão, entre você, aquela senhora e o Alan que fez o convite para a Batista. Só tenho certeza todos vocês são merecedores, ainda tem o Gerente do supermercado que trabalhava que logo pela manhã colocava musicas gospel e lembrava da época da Igreja da Paz. Lembro que me emprestavas cassete (nossa!!!!) com testemunhos e ali comecei a gostar do Voz da Verdade, Aline Barros e uma música que sempre marcou e marca minha vida "O Mover do Espírito" (Quero que valorize).
         Não faz muitos anos que doei a Bíblia que tu tinhas me dado, ela exalava um perfume que só fui descobrir este ano o nome e q tb já esqueci.
        Em 2008, eu tive uma seria crise de hérnia de disco, ficando hospitalizado durante uma semana e lá se fez presente meu amigo, um dos poucos que foram. Com seu tempo corrido tb sempre fez visitas em casa.
        Mandei esta semana revelar as fotos de um ano de vida da Emilie e quem estava nas fotos Tonhinho e sua namorada na época Patrícia.
        Não sei se de fato a academia (Universidade), afastou meu amigo da igreja, espero que não do evangelho e muito menos da Bíblia. Eu morei em ir para uma Universidade, mas sempre senti a necessidade de Deus, antes mesmo e até mesmo depois questionamentos são feitos por mim mesmo sobre certas coisas, para algumas eu tenho resposta ou não por que ela não merecem respostas, não pelo menos agora, mais tenho absoluta certeza que um dia serão esclarecidas. Interessante que na tua fala percebo que ainda existe o Tonhinho que me mostrou o evangelho. É claro uma vez que dizemos a Deus que somos Dele sempre o seremos não importa onde estaremos. E você é Dele!
       Entendo que o mundo não seria perfeito e completo se não existe raça humana, por tanto, Deus criou o homem (humanidade), somos a Coroa da Criação e isso causa aborrecimento a alguns se é que me entende! Com o elo de relacionamento quebrado, alguma coisa foi preciso acontecer para religar o homem a Deus. Para eu voltar a ter contato com Deus, para Deus receber minha adoração, um sacrificio foi preciso, um derramamento de sangue (sei que tudo isso já conheces, mas não sei pq a necessidade de escrever). O sangue do cordeiro feito pelo sacerdote era incompleto, por mais que aquele cordeiro não apresentasse nenhum defeito. E assim foi feito, Deus se fez carne e habitou no nosso meio, na pessoa de filho único e amado. A essência era Deus, mas tinha personalidade própria, uma personalidade guiada pelo Espírito de Deus.
      Sabe não é demagogia eu sinto a necessidade da adoração, sinto a necessidade de reconhecer e agradecer que estava fadado ir para o inferno (mesmo que não seja um lugar preparado p mim, mesmo que eu não tenho cometido atrocidades), mas pelo fato de ser pecador de já nascer no pecado (não no sentido do ato sexual), mas sim da natureza pecaminosa em meu ser, essa natureza tendenciosamente para o mal. Então agradecer a Deus por tudo que ele tem feito, fez e irá fazer. A pergunta que não quer calar: "Mas posso adorar a Deus em qualquer lugar?!" de fato é verdade! Também a alegação que nós hoje somos a igreja nosso corpo, onde habita o Espírito de Deus. Sem sombra de dúvida! Onde está a graça de ir a igreja templo físico. Na unidade em meio a diversidade. Diversidade de pensamentos, de ideias. Ah, mas existe muita falsidade e de uns tempos para cá muito escadalos e interesse financeiro. O importante é se apegar aqueles que tem amor a obra, aqueles que quando você entra cabisbaixo saí de cabeça erguida. Ouvir palavras de consolo, conforto de animo e também puxões de orelhas quando preciso. Mas posso ter isso em grupos especificos ou em livros de auto-ajuda! Você sente quando as palavras são ditas enviadas por Deus ou são apenas palavras de impacto. Um coro se forma como músicas belissimas e vc tem apenas um pequena porção de como será na Nova Jerusalém. E na mensagem Deus nos fala como devemos proceder. Posso ficar aqui preenchendo linhas e mais linhas das grandezas de Deus na casa onde vamos na semana. Mas termino por aqui!
      Hoje, pela manhã fui professor da E.B.D (Escola Bíblica Dominical), com a turma dos novos decididos, turma essa que sempre desejei ser professor e nesta semana me lançaram o convite. Após 9 anos de evangelho preguei pela segunda vez, a primeira foi mais um testemunho da minha vida. E uma pessoa se reconciliou, foi ótimo ouvir ela dizer que a mensagem encaixou no momento que vive no presente. Mais duas pessoas disseram que foi muito bom. As vezes digo que Deus é brincalhão! No caminho da igreja disse a Deus em pensamento que não gostava de pregar, acho minha voz feia no microfone, além do fato que acho que as mensagens não são se posso dizer assim "tocantes", Deus respondeu hj que as pessoas não estão interessadas na voz e sim na mensagem e essa mensagem é inspirada por Ele.
     Tonhinho, a semente que lançaste em terra, foi terra proveitosa, ela está crescendo, estendendo ramos e frutos e das sementes caídas os passaros estão lançando em outros terrenos ferteis.
     Assim rogo ao Pai Bendito, bençãos sem medidas em tua vida e da tua família em o nome de Jesus na Força e no Poder do Espírito Santo, amém!

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Pelo que já passei e ainda passo!


Tenho ideias delirantes, já cheguei as vezes pensar q entrariam em minha casa e nos assassinariam, antes com requintes de crueldades em outras vezes pensando que um avião cairia na rua ao lado e mentalizava toda a cena de querozene descendo a rua chegando na minha casa. Hoje quando ando de ônibus especialmente sozinho e em qualquer sinal de perigo (pelo menos para mim) imagino capotamento, a cena gera automaticamente em minha mente, de pessoas mortas, ensanguentadas, mutiladas, estilhaços de vidros por toda parte, gritos, desesperos, simplesmente a vontade é de gritar: "Para o ônibus" e descer ou de gritar para o motorista maneirar na velocidade. Em brigas conjugais tinha a mais absoluta certeza que minha esposa iria me esfaquear durante a noite, a cena de ela tirando uma faca por debaixo do lençol e me esfaqueando no peito era fixa. Fazendo eu esconder a maioria dos objetos perfurocortantes. Isso são ideias delirantes. Com o passar do tempo escutava meu nome sem haver ninguém na casa, escutava nitidamente o telefone tocar, escutava minha mãe falando, reclamando alguma coisa sem ela ter no mínimo balbuciado algo. Vultos, pelo menos a impressão passavam pelo corredor a sensação de ser seguido ou de ser observado.

Não há necessariamente um stress, uma situação emocional, não pelo menos que eu perceba, as vezes sim, mas na maioria das vezes não! De repente vou ficando agoniado, de repente vou ficando inquieto, vou ficando irritado, a voz ou vozes das pessoas me irritam, me pertubam, lembro que no ínicio não suportava a voz da minha pequena filha. Vozes como das pessoas e da tv ou som era extrema pertubador e ainda é. É um misto de raiva e ódio de repente, não suporto muitas perguntas constantes, perguntas tolas é tolerancia zero. Perguntas simples respondo com agressividade e estupides. Numa simples discursão a vontade é de agressão se na pratica não se concretiza no campo das ideias se toma efeito.

Em minhas pesquisas essa se "cura" em meses, semanas e até mesmos dias, no meu caso penso que é um ciclo, pois no mês de julho, fiz o que para mim é grandes coisas, preguei numa igreja, fui em um balneario com pré-adolescentes, fiquei a frente de um culto semanal da igreja que congrego fui ao cinema algumas vezes, até acordei com um irmão é ir há um interior do Estado no mês de setembro (já desisti), o mês todinho nas segundas, quartas e sextas fiquei a frente do Grupo de Oração da minha igreja (onde fui designado há dois anos atrás), visitei enfermos, fui a cultos de ação de Graças. Fui ativo, feliz!

No começo de agosto veio o abatimento, a vontade de não sair, como está se concretizando agora, a tristeza de repente a vontade de não falar com as pessoas, de evitar o meio social, as inquietações filosoficas, os questionamentos sobre a igreja, liderança (novamente), família, trabalho (preocupação com o futuro) as mudanças repentinas de humor, variando entre dias, horas e até minutos, horas de alegrias, horas de tristezas, horas de ficar laconico, horas falante demasiadamente, hora de ser eufórico no falar, exagerando até no ue dizer, horas em querer falar para ferir, atacar. Desejos que não são dignos de serem escritos, desejos de morte, uma imagem fixa de enforcamento povoa minha mente desde agosto. Me vejo dependurado numa corda. Parece q tenho a impressão que assim encontrei paz neste mundo angustiante. Neste mundo que me causa dor quando vejo injustiças socias, disparidades, quando penso se estou educando bem minha filha, se não estou repetindo a mesma história da minha vida com minha filha privando ela de muitas coisas com o medo de ela se machucar. Ainda choro com noticias, filmes, novelas, choro facilmente.

25 de agosto, 3:17 da tarde, uma velha assombração me visita, estava a porta de casa a ponto de dar um telefonema, quando escuto uma voz de um homem baixo, não consigo entender, olho desesperadamente para rua, pois sabia que era próximo como por tras do muro, saio p vê e ninguém na rua. TRISTEZA, extrema tristeza, algo que muito tempo não acontecia. Depois disto a ansiedade e irritabilidade apenas aumentaram. Isso posso dizer que foi stress, neste mês minha filha adoeceu por uma semana e meia. Andei em pediatra e urgência, e foi um dia no pediatra, onde estava desde cedo, com muitas crianças: choro, grito, batidas, corre-corre, volume da televisão muito alto, que quase surto, a cena se projetou na minha cabeça de eu gritando alto "NÃO,NÃO,NÃO,NÃO", como que pedindo para que tudo aquilo parasse foi quando nos chamaram para a consulta e o silêncio do consultório retardou o surto. Mas o estrago já estava feito, passado algum tempo fui a urgência levar minha filha e tempos depois ao shopping e não suportava encarar as pessoas, todo aquele movimento e conversas paralelas me deixavam tonto, com os olhos cansados, pesados, o centro da cabeça também cansado e dormente. Com a vontade de deitar e isso está se estendendo até hoje.

O que reclamo muito são os frequentes esquecimentos, o médico diz que é por causa dos medicamentos. Nas pesquisas encontrei que perdas repentinas e mudanças bruscas podem causar este transtorno, bem sei que mudei repentinamente de setor, unidade e função e terminei a universidade. Muitas vezes me dou conta outras não de que falo o que não deveria, o politicamente incorreto ou procedo da forma não padrão, comportamento. O sono ficou diminuto, ignoro o perigo em muitos casos como o atravessar de uma rua, o que contrasta com outros momentos que o medo da morte é torturante. Na verdade o medo da dor que leva a morte acho eu. Muitas vezes confuso, simplesmente confuso, com vontade de sair sem paradeiro, vontade de sumir, de dormir e não acordar ou acordar décadas depois.

Continua...

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Resposta do Senador Mario Couto sobre a PL 122

Um tempo atrás, mandei um e-mail para os três senadores do meu Estado, Pará. No dia 20 de maio do corrente ano. No dia 23 o Senador Mario Couto, me respondeu. Guardei o seu email na esperança de postar juntamente com as respostas dos outros dois, Senadora Marinor Brito e Flexa Ribeiro, no entanto, é com pesar q digo a falta de interesse desses dois "representante" do povo Paraense. A omissão em dizer se são a favor ou contra. Agradeço a coragem do Senador Mario Couto independente de sua posição. Isso demonstra atitude!
Segue sua resposta.

Geraldo,
Recebi seu e-mail sobre o PL 122. Informo que votarei contra a aprovação do PL 122/2006, pois considero que este Projeto de Lei fere o direito a liberdade de expressão, garantido na Constituição Federal para todos os brasileiros.
Muito obrigado por seu e-mail e pela confiança em meu trabalho. Conte sempre comigo.
 Meu fraterno abraço,
 Senador Mário Couto